Neste dia, 24 de julho, a Igreja faz memória a três monjas carmelitas que, por amor a Jesus e a Santa Igreja, foram martirizadas e mortas.

As três Irmãs Maria do Pilar, Maria dos Anjos e Teresa do Menino Jesus, tiveram de deixar, como todas as outras religiosas, o convento no dia 24 de julho de 1936. Apesar de terem tirado o hábito, e trajarem trajes civis, são reconhecidas por um bando de milicianos e milicianas comunistas espanhóis, e uma das quais (bem jovem, aparentando uns 18 anos) grita para os camaradas:

– São freiras! Disparem!

Fonte: Flores do Carmelo

Ouvem-se vários tiros das espingardas. Como pombas perseguidas, batem as inocentes Irmãs à porta de duas famílias conhecidas. Como ninguém lhes abre, voltam à rua. Um tiro certeiro no coração prostra no chão a Irmã Maria Angeles, que morre quase imediatamente.

A Irmã Maria do Pilar teve martírio mais doloroso. As balas destroçaram-lhe a coluna vertebral, atravessaram-lhe o ventre e fraturaram-lhe um joelho e os ombros. Estendida no chão, a esvair-se em sangue, um comunista ainda lhe atravessou a região lombar com um punhal. Entre horríveis tormentos, dores e sede abrasadora, exclamava, como Cristo no alto da Cruz: “Tenho sede… Meu Deus, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem!”. Beijando o crucifixo que lhe aproximou dos lábios uma Irmã da Caridade do Hospital para onde foi levada, entregou placidamente a sua alma a Deus.

A Irmã Teresa do Menino Jesus, ao fugir, viu-se cercada por um bando de milicianos. Aparece de repente outro camarada que os repreende fortemente, incitando-lhes a soltar aquela alma inocente. Os seus colegas deixam-na e ele exclama em tom amigo e paternal: “São uns bandidos. Estou aqui para te proteger. Vem comigo, levo-te a um refúgio seguro. Não temas. Tem confiança em mim”.

A boa irmã Teresa deixou-se levar, acreditando nessas palavras. Depois de atravessarem algumas ruas, chegam a um descampado, perto do cemitério. Então, o lobo tira por fim a pele de cordeiro e revela toda a sua maldade. Procura violar sexualmente a jovem Irmã, prometendo-lhe a liberdade. Juntam-se lhe mais três valentes comunistas com o mesmo intento: violar e profanar a virgindade daquela jovem religiosa carmelita. Nunca cede perante os desejos dos homens. Ela repele-os energicamente e procura escapar-se. Pretendem então que dê vivas ao comunismo e que renegue a sua Fé. Como resposta só ouvem este grito: “Viva Cristo Rei!”. Deixam-na então fugir. Corre com o braços em cruz, sabendo que irá ser morta. Cai mortalmente ferida com o rosto por terra, banhado em sangue. Ali sozinha, como Cristo no Jardim das Oliveiras, agonizou em grande paz, com a Fé e a virgindade intactas.

As três Irmãs carmelitas de Guadalajara foram, para alegria de toda a Igreja (e Igreja não são os edifícios, são as pessoas!) foram beatificadas no dia 29 de março de 1987 pelo Papa João Paulo II.

Fonte: Flores do Carmelo; Santos e Beatos Católicos