“Conformidade com Cristo” Sofrimento/Redenção

Sinal da Cruz.
Vinde Espírito Santo.

Elisabeth, desde que escolheu por Cristo, fez suas todas as escolhas de Cristo, e querendo conformar-se totalmente à sua vida e participar de sua missão, desejou não só levar a sua cruz, mas também oferecer-se com Ele. Desejou “não só morrer pura como um anjo, mas transformada em Jesus Crucificado”.

Compreender o valor do sofrimento, em união com o de Cristo, é o que continua, no mundo, o mistério da Redenção, do sofrimento de Cristo para a Salvação das almas. É o ser uma “humanidade de acréscimo, onde Cristo pode renovar a cada dia o seu mistério”.

O sofrimento, por si só, não é nada. Mas revestido do amor de Deus, transforma-se em sacrifício, torna-se sagrado. É uma sinal de predileção da parte de nosso Deus. O verdadeiro amor a Deus se manifesta no oferecimento de si próprio, como vítima para a salvação do mundo. Deus não quer para nós sofrimentos inúteis.

Nos diz nosso Santo Padre, o Papa João Paulo II, em seu documento “Salvific Dloloris”:

“Cristo não explica abstratamente as razões do sofrimento; mas antes de mais nada, diz: Segue-me!. A medida que o homem toma a sua cruz, unindo-se espiritualmente à Cruz de Cristo, vai-se-lhe manifestando mais o sentido salvífico do sofrimento. É então que o homem encontra no seu sofrimento a paz interior e mesmo a alegria espiritual.”

Elisabeth ama a cruz, porquê encontra nela uma grande prova de amor do seu Amado Jesus, e a forma de se tornar “conforme o seu Cristo”.

“Confesso que sinto uma alegria íntima e profunda ao pensar que Deus me escolheu para associar-me à Paixão de seu Cristo, e este caminho do Calvário, que devo subir a cada dia, parece-me mais o caminho da bem-aventurança!”

“O sofrimento é coisa tão grande, tão divina! Parece-me que, se no Céu os bem-aventurados pudessem ambicionar alguma coisa, seria este tesouro”. (Carta 207)

“Jesus só dá sua Cruz para os verdadeiros amigos para aproximar-se cada vez mais deles.” (Carta 95)

“Deixemos-nos crucificar com nosso Dileto. É tão belo sofrer por Ele! Com esse sofrimento, cresce em nós a sua semelhança e assim, devolvemos a Ele um pouco de amor. Não há nada mais belo de que dar alguma coisa a quem se ama.” (Carta 41)

Reflexão…

“Alegro-me em completar em minha carne o que falta à Paixão de Cristo, pelo seu Corpo que é a Igreja.”  (Cl 1,24)

“Anseio pelo conhecimento de Cristo e do poder da sua Ressurreição, pela participação em seu sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na morte”  (Fl 3,10)

Oração: Pai Nosso, Ave-Maria, Glória

Oração final: Senhor, nosso Deus e Pai, nós te louvamos e bendizemos porque suscitastes na tua Igreja e no Carmelo a Santa Elisabeth da Trindade, para que nos ajudasse a descobrir-nos cada vez mais habitação eterna do Amor Trinitário. Senhor, que toda alma que sofre de solidão, depressão e tristeza possa buscar em Elisabeth um modelo de comunhão e de intimidade com o mistério Trinitário. Saber-nos amados, habitados pela Trindade Santa, é motivo para sermos desde já sempre felizes e o céu, o paraíso sem fim. Que Maria, habitação da Trindade e Porta do Céu nos abençoe. É o que te pedimos, por Cristo, Vosso Filho e nosso Senhor, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Fonte: Alma Carmelita